Nossa História

Linha do Tempo

Histórico

            O “Centro de Estudos e Pesquisas 28”, outrora denominado “Centro de Estudos e Pesquisas da 28ª Enfermaria” foi criado como uma associação sem fins lucrativos em 8 de junho de 1967 pelo ilustre professor, doutor Álvaro de Aquino Salles, chefe do serviço da Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, responsável pelo serviço de Ginecologia do Hospital Geral da mesma instituição.

            Inicialmente o “Centro de Estudos” tinha como objetivo assegurar a publicação de trabalhos científicos oriundos de estudos e pesquisas isentas de quaisquer influências externas, alheias a excelência dos processos científicos.

Esse perfil de puro de “Centro de Estudos” perdurou da fundação em Junho de 1967 até outubro de 1982, nesta data o professor, doutor Alkindar Soares Pereira Filho, assumiu a chefia do Serviço da enfermaria 28 e a Presidência do “Centro de estudos e pesquisas da 28ª enfermaria”, a partir de então coordenou toda a produção de trabalhos mantendo essa notória excelência. 

            Desde 1982 a parceria entre a Enfermaria 28 e o “Centro de Estudos de Pesquisas da 28ª Enfermaria” foi ampliada. Por meio da prestação de serviços, doações de recursos, execução de projetos específicos, cessão de pessoal qualificado e outros meios o “Centro de Estudos e pesquisas da 28ª Enfermaria” auxiliou na gestão e participou na execução dos projetos, pesquisas e atendimentos realizados pela Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, nas dependências do Hospital Geral, mas sob gestão independente e sempre sob a orientação e chefia do Dr. Alkindar Soares Pereira Filho, ou seus prepostos no serviço.

            Em 1980 foi estabelecida a parceria entre o Centro de Estudos e Pesquisas 28 e a Enfermaria 33 da Santa Casa de Misericórdia (Maternidade), e o seu Centro de Estudos, ambos, à época, chefiados pelo Prof. Dr. Jorge Fonte de Rezende, da mesma maneira o início dessa relação foi acadêmico, com a publicação conjunta de trabalhos, estudos, utilização de infraestrutura compartilhada dos Centros de Estudos e das Enfermarias para formação médica.

A partir de 1982, sob a presidência no CEP28 do Prof. Dr. Alkindar a parceria se intensificou e passou a incluir a gestão compartilhada de serviços de saúde, em termos semelhantes ao ocorrido na enfermaria 28.

            A relação óbvia de proximidade temática, saúde da mulher, beneficiou o processo de parceria e muitos dos professores, médicos, enfermeiros, estudantes e estagiários de uma enfermaria o foram da outra, embora as chefias técnicas sempre tenham sido exercidas em separado, com lisura e competência.

            Cabe ressaltar que embora exista uma profunda relação de respeito, admiração e amizade entre o CEP28 e a Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, as duas instituições são totalmente independentes uma da outra, não havendo qualquer ligação legal entre as mesmas, salvo os ditos históricos de parceria na Enfermaria 28 e Enfermaria 33, que findaram respectivamente em 2010 e 2003.

            Com o advento da Lei nº 5.026, de 19 de maio de 2009, e dos Decretos nº 30.780, de 2 de junho de 2009, e 30.907, de 23 de julho de 2009, todos do Município do Rio de Janeiro, criando a estruturando a atividade das Organizações Sociais no contexto local, vimos a oportunidade de ampliar nossa atuação na área de Saúde no Município do Rio de Janeiro.

Avaliamos nossa capacidade de atuação, reestruturamos as equipes e estatuto social de acordo com as exigências legais e nos dispusemos a agregar o conhecimento da instituição e de seu pessoal na melhoria dos indicadores de saúde no Município.

Em 05 de Outubro de 2010, foi publicado o boletim do COQUALI com a aprovação de sua qualificação como organização social em saúde no Município do Rio de Janeiro. 

            O primeiro projeto que pleiteamos foi o Programa Cegonha Carioca – Módulo Acolhimento, Edital de Setembro de 2010 que se tornaria o Contrato de Gestão SMS/RJ 006/2011, o qual nos tornamos seus gestores até seu termo, em março de 2016.

            O segundo projeto foi o Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, Contrato de gestão SMS 003/2012, cujo termo se dará em março de 2017.

Finalmente, o terceiro projeto é continuação do primeiro, uma vez que vencemos o Chamamento Público que daria origem ao Contrato de Gestão nº 003/2016, que temos a felicidade e o privilégio de sermos os gestores, dando continuidade à excelência na prestação dos serviços de gestão do Cegonha Carioca.

Missão e Visão

            Desde a reformulação de seu Estatuto em 31 de agosto de 2005, passou a chamar-se Centro de Estudos e Pesquisas 28, mantendo o “28” a título histórico e de respeito ao passado, tendo como sigla CEP28 ampliando sua área de atuação, indo além da saúde da mulher:

•        Educação;

•        Saúde;

•        Cultura;

•        Assistência social;

•        Meio ambiente.

            No CEP 28 acreditamos na definição de saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), organismo sanitário internacional integrante da Organização das Nações Unidas, fundado em 1948, que define saúde como “estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não somente a ausência de enfermidade ou invalidez”, neste sentido estimulamos projetos de Educação (principalmente com foco em higiene, saúde, planejamento familiar, etc.), de cultura, de assistência social a família e a mulher e de respeito ao meio ambiente. Entendemos que estes cinco tópicos são a base para o exercício pleno da cidadania, que resumiria nossa visão central.

Formas de atuação

•        Execução direta de projetos, programas ou planos de ações;

•        Da doação de recursos físicos, humanos e financeiros;

•        Da prestação de serviços intermediários de apoio a outras organizações sem fins lucrativos e a órgãos do setor público que atuam em áreas afins.

Projetos relevantes em Saúde

            Dentro do aspecto saúde são os seguintes os principais projetos recentemente realizados pelo CEP28:

  • Programa de Educação Continuada em Saúde – realizada desde a fundação da entidade, até os dias atuais, com variação de temas e focos no período, programa em atividade.
    • Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia
    • Residência em Enfermagem Obstétrica

  • Parceria CEP28 – Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro – realizada entre outubro de 1982 e Dezembro de 2009

  • Parceria CEP28 – Enfermaria 33 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro – realizada entre meados de 1980 e Março de 2003

  • Projeto Talentos do Brasil – Gestão de Convênio com o Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA, realizado dentre Junho de 2006 e Dezembro de 2006.

  • Programa Cegonha Carioca – Módulos Acolhimento e Transporte – início em março de 2011 e em atividade.

  • Hospital da Mulher Mariska Ribeiro – implantação, inauguração e gestão do hospital desde março de 2012 até a presente data.

Programa de Educação Continuada em Saúde

            Desde a fundação o Centro de Estudos e Pesquisas 28 cumpriu sua missão de levar ao time da Enfermaria 28, educação médica de qualidade. Com os anos passou a receber alunos de outros hospitais e universidades, sempre de portas abertas ao ensino.

            O histórico dos cursos data de 1967, com a realização de painéis de estudos em Ginecologia e Obstetrícia na sede da instituição, estes painéis e reuniões de estudos continuaram por mais de 30 anos, e retornaram de maneira mais formal na década de 2000.

            O Centro de Estudos e Pesquisa 28, CEP28 foi, ao longo dos anos, berço de vários estudos científicos voltados para a área da pesquisa médica. Teve grande impulso e projeção com a presidência do Prof. Alkindar Soares Pereira Filho, no período de outubro de 1982 a dezembro de 2009. Neste período se destacaram vários fatos de relevância a prática médica.

            Várias drogas que hoje são comercializadas passaram por pesquisa, no CEP28, onde as pacientes foram arroladas nos estudos, onde receberam toda a assistência médica, além dos medicamentos.

            O Ministério da Saúde, através da Coordenação de Assistência Materno-Infantil (COSMI) forneceu, por muitos anos, material de consumo para anticoncepção (pílulas, DIUs, condoms, etc.) que também era distribuído gratuitamente à população. Fato que hoje infelizmente não ocorre mais.

Três programas de ensino, no entanto, são dignos de nota:

  • Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Ginecologia e Obstetrícia – sob a coordenação do Prof. Dr. Alkindar Soares Pereira Filho, o curso teve início em uma parceria com a Clínica São Vicente do Rio de Janeiro, e seguiu sendo realizado posteriormente nas dependências da Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro.

  • No período foram cerca de 600 alunos de várias regiões do Brasil e exterior. O curso consistia de aulas teóricas e práticas relacionadas à especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, com o treinamento de pacientes realizado nas dependências da Enfermaria 28 e outras da Santa Casa.
  • Diretamente relacionado ao curso, o Centro de Estudos 28 atendeu a várias escolas médicas com estágios de alunos em nível de internato ao longo desses anos.
  • Foi realizada parceria internacional com a Sociedade Portuguesa de Menopausa, na figura do Prof. Dr. Manuel Neves-e-Castro
  • Inúmeros ex-alunos são atuais colaboradores do Centro de Estudos e Pesquisa 28.

  • Realização de Simpósios e Congressos, com a intenção de prover informações atualizadas aos profissionais de saúde. Em especial a Jornada Anual de Atualização em Ginecologia, realizada por mais de 10 (dez) anos, até o ano de 2009, pelo Centro de Estudos e Pesquisas 28.
  • Nesses eventos inúmeros professores das principais sociedades médicas e universidades do Rio de Janeiro e do Brasil participaram dos eventos, com os mais diversos temas em relação a saúde da mulher, principalmente: obstetrícia, mastologia, endocrinologia, patologia cervical, cirurgia ginecológica, prevenção e tratamento do câncer ginecológico, dentre outros temas e trabalhos.

  • Inúmeras publicações de artigos em periódicos nacionais e internacionais, bem como participação e organização de inúmeros congressos e jornadas científicas na área de Ginecologia.
    • As duas últimas publicações realizadas dentro do contexto do Programa Cegonha Carioca – Módulo Acolhimento, no VII COBEON, Congresso de Enfermagem Obstétrica, realizado em julho de 2011.

  • Educação Continuada em Enfermagem – Programa de treinamento em serviço e palestras
    • Focado na equipe de Enfermagem do Cegonha Carioca, mas aberto a todas as Enfermeiras e profissionais de saúde do CEP28, e de entidades parceiras.
    • Eventos mensais de palestras em temas relacionados a Acolhimento, Classificação de risco e Enfermagem Obstétrica.
    • Eventos de treinamento em serviços nas maternidades da SMS/RJ com equipe do Cegonha Carioca, realizada pelas enfermeiras coordenadoras do programa.

  • Educação Continuada em Medicina – especialidade Ginecologia e Obstetrícia – Programa de treinamento em serviço e palestras
    • Focado na equipe de médicos do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, mas aberto a todos profissionais de saúde do CEP28, e de entidades parceiras.
    • Eventos mensais de palestras em temas relacionados a Obstetrícia, Ginecologia e saúde da mulher.
    • Eventos de treinamento em serviços nas maternidades da SMS/RJ com equipe do Cegonha Carioca, realizados pelas chefias médicas, ou profissionais convidados.

Programa de residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro

O Hospital da Mulher inaugurado em junho de 2012, teve aprovado em final de 2013 sua requisição para realizar a RESIDÊNCIA MÉDICA pelo programa Nacional do MEC. O trabalho realizado engloba atividades assistenciais (práticas) e didáticas (teóricas) segundo o programa preconizado pela Comissão Nacional de Residência Médica. Após avaliações formais e avaliações práticas, recebemos autorização para iniciar as atividades em Janeiro de 2014 com 03 Médicos que deverão realizar três anos de atividades no Hospital da Mulher.

O objetivo é formar em nível de excelência, profissionais com habilidades e como especialistas na área. A capacitação dos residentes é feita através da ótica da Humanização do Serviço prestado à Mulher. As atividades são divididas em 60 horas semanais segundo o quadro abaixo em sistema de rodízio, atendendo as orientações do COREME.

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS

  • Exercitar o conteúdo da Obstetrícia num contexto amplo e interdisciplinar, através da integração horizontal e vertical com as demais disciplinas do Curso Médico.
  • Entender e avaliar as repercussões da função reprodutiva sobre a saúde da mulher.
  • Entender as práticas educativas e promoção da saúde, prevenção e tratamento dos principais agravos à saúde da mulher.
  • Diagnosticar e tratar as principais morbidades femininas encontradas nos ambulatórios de ginecologia, com destaque para as entidades clínicas infecciosas, hemorrágicas e álgicas. Propiciar diagnóstico precoce de tais entidades nosológicas e instituir terapêutica pertinente, evitando-se relevantes sequelas à saúde da mulher.
  • Entender e exercitar o conteúdo da Ginecologia em um contexto interdisciplinar.
  • Entender e planificar, em bases biológicas, psicológicas e sócias, a assistência à mulher no estado gravídico. Entender o papel da equipe de saúde na atenção integral à saúde da mulher.
  • Rastrear e/ou diagnosticar precocemente o câncer feminino, com destaque para as condições malignas mamárias e cervicouterinas.
  • Conhecer e interpretar os principais aspectos epidemiológicos, demográficos e socioeconômico-culturais que interferem na saúde da mulher.
  • Desenvolver raciocínio lógico sobre o processo gravídico-puerperal, bem como, suas implicações na saúde da mulher e do concepto.
  • Praticar assistência pré-natal em todos os níveis.
  • Identificar as principais causas de gestação de alto risco, dependentes do concurso de outros especialistas.
  • Capacitar na prevenção, diagnóstico e tratamento das principais intercorrências clínicas e obstétricas.
  • Aprender a reconhecer e prevenir o aparecimento das principais doenças responsáveis por mortes maternas e perinatais
  • Aprimorar o conhecimento e as habilidades para a assistência ao parto e puerpério.
  • Conhecer os elementos e os mecanismos envolvidos no processo de parturição em humanos
  • Conhecer as práticas do incentivo ao parto humanizado e o aleitamento materno,
  • Adquirir habilidades para a prática adequada da Obstetrícia operatória (Tocurgia).
  • Diagnosticar e tratar as complicações clínicas e cirúrgicas mais frequentes em Obstetrícia.
  • Diagnosticar e tratar as urgências e emergências obstétricas e ginecológicas.
  • Desenvolver conhecimentos e habilidades em medicina intensiva, relacionados às afecções obstétricas e ginecológicas.
  • Desenvolver conhecimentos em medicina fetal; habituar-se ao diagnóstico ultrassonográfico das principais afecções fetais.
  • Capacitar na prevenção, diagnóstico e tratamento das afecções ginecológicas, incluindo       ginecologia infantopuberal, distúrbios endocrinológicos, DST/AIDS, patologia do trato genital inferior, algia pélvica, endometriose, climatério e doenças da mama.
  • Desenvolver conhecimentos e habilidades em reprodução humana, incluindo planejamento familiar e infertilidade.
  • Adquirir habilidades em cirurgias ginecológicas e mamárias, para o tratamento das doenças benignas e malignas.
  • Adquirir conhecimentos em procedimentos especializados em Ginecologia, como colposcopia, laparoscopia diagnóstica e cirúrgica, histeroscopia diagnóstica e cirúrgica, mamografia, uroginecologia e urodinâmica.
  • Capacitar na prevenção e diagnóstico das neoplasias malignas ginecológicas e da mama, e tornar-se apto a estabelecer um planejamento terapêutico adequado, particularmente nos estádios iniciais, bem como conhecer a sua evolução prognóstica.
  • Diagnosticar e tratar as complicações cirúrgicas mais frequentes em Ginecologia.
  • Entender e exercitar o conteúdo da Ginecologia em um contexto interdisciplinar.
  • Desenvolver conhecimentos em diagnóstico por imagem em Obstetrícia e Ginecologia.
  • Desenvolver conhecimentos relacionados a responsabilidade ética e profissional.

Programa em residência de enfermagem obstétrica do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro.

O Programa Nacional de Residência em Enfermagem Obstétrica (PRONAENF), tem como objetivo formar enfermeiros obstetras para serem inseridos no Sistema Único de Saúde (SUS), nas regiões que aderiram à estratégia Rede Cegonha. Os profissionais vão atuar desde o pré-natal e parto até o nascimento e pós-parto, dentro do preconizado pela Rede Cegonha.

A estratégia visa intensificar a assistência integral à saúde das mulheres e crianças, do planejamento reprodutivo – passando pela confirmação da gravidez, parto,puerpério – até o segundo ano de vida do filho. “Esta ação contribui para a qualificação da Rede Cegonha, pois capacita os enfermeiros a prestarem um serviço humanizado e de qualidade à criança e à mulher”, segundo o Secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales.     

Por iniciativa, definiçãoestratégica e financiamento da Rede Cegonha, a Secretaria Municipal de Saúde(SMS/RJ) ampliou o Programa de Residência de Enfermagem Obstétrica e o número de vagas na Cidade do Rio de Janeiro.                                            

O Hospital da MulherMariska Ribeiro tem como Missão e Valores institucionais, a assistência humanizada e integral à saúde da mulher e dacriança, com excelência e a produção de conhecimento de forma a contribuir paraa melhoria da qualidade de vida da mulher, muito se orgulha em participar,contribuir e reforçar a parceria já selada com as Instituições formadoras ecientíficas da Enfermagem e a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

No ano de 2013 o HMMR servirá de campo prático para as Residências de enfermagem Obstétrica da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Instituto Fernandes Figueiras (IFF) e na preceptoria as Enfermeiras Obstétricas Wania Maria Antunes/CPN; Maria da Conceição P. D. Coutinho/AC e  Carla Cristina L. Castilho /ACCR.

Planejamento de rodízio de setores para o grupo de residentes de enfermagem obstétrica, para o ano de 2013.

Universidade Federal Fluminense ACCR AC1 BLH AC2 CPN/CC
Período
Agosto/Setembro 4 2 2 4
Outubro/Novembro 4 2 2 4
Dezembro/Janeiro 4 2 2 4
Fevereiro/Março 4 2 2 4
Instituto Fernandes Figueiras ACCR AC1 BLH AC2 CPN/CC
Período 2 1 1 2
Agosto/Setembro 2 1 1 2
Outubro/Novembro 2 1 1 2
Dezembro/Janeiro 2 1 1 2
Fevereiro/Março 2 1 1 2

Atividades  EducativasDesenvolvidas Pelas Residentes de Enfermagem em Dezembro  de 2013 no HMMR.

Parceria CEP28 – Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Em outubro de 1982 o Prof. Dr. Alkindar Soares Pereira Filho ampliou a relação existente entre o CEP28 e o serviço de ginecologia do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro (Enfermaria 28).

A necessidade resumia-se à realização de contrações de pessoal, aquisição de equipamentos, busca de doadores diretos para o serviço (entre empresas, farmacêuticas, laboratórios, fabricantes de equipamentos médicos e muitos doadores anônimos pessoas físicas).

O CEP28 passou então a intermediar essas relações, recebendo doações a gerenciando o investimento no serviço da Enfermaria 28, até dezembro de 2010 o CEP28 auxiliou na gestão, prestou serviços, ou participou na execução dos projetos, pesquisas e atendimentos realizados pela Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, sempre sob a orientação e chefia do Dr. Alkindar Soares Pereira Filho, ou seus prepostos no serviço. Incluindo, mas não se atendo aos serviços de:

  • Recepção, acolhimento, triagem e classificação de risco dos pacientes de demanda espontânea ao serviço, com respectiva priorização no atendimento e encaminhamento ao ambulatório adequado;
  • Atendimentos ambulatoriais nas especialidades de ginecologia e obstetrícia;
  • Exames complementares, diagnósticos e procedimentos;
  • Cirurgias na especialidade de ginecologia e obstetrícia.
  • Internações clinicas e cirúrgicas nas especialidades de ginecologia e obstetrícia.

A Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro faz parte do Hospital geral e têm administração Clínica independente, seu foco é o atendimento Ginecológico, a mesma tem como estrutura física:

Estrutura gerenciada, nesta gestão o CEP28 foi responsável pelo gerenciamento de:

  • 1 unidade de recepção, acolhimento e triagem
  • 1 ambulatório Geral de Ginecologia e Obstetrícia
  • 5 ambulatórios de especialidades Ginecológicas
  • 1 ambulatório de Clínica Geral – Risco Cirúrgico
  • 1 Centro cirúrgico com 2 Salas de cirurgia exclusivas do serviço
  • Aproximadamente 20 leitos dedicados à Ginecologia e Mastologia.
  • Setor de Documentação Médica
  • Setor de ensino
  • Setores administrativos e de apoio

Média mensal de atendimentos:

  • 744 atendimentos ambulatoriais mensais, incluindo remarcações, retornos e tratamento continuado.
  • Cerca de metade do total de atendimento, ou 370 novos pacientes por mês atendidos no acolhimento e triagem.
  • 60 cirurgias mensais, e inúmeros procedimentos cirúrgicos ambulatoriais.

Período da parceria: de outubro de 1982 a dezembro de 1999, ou 27 (vinte e sete) anos.

Atendimentos e procedimentos realizados neste período:

  • 250.000 (duzentos e cinquenta mil) atendimentos ambulatoriais, incluindo, mas não se limitando a: ambulatório de Ginecologia, ambulatório de Climatério, ambulatório de Infantopuberal, ambulatório de Infertilidade, ambulatório de Patologia mamária – punção de mama, core biopsy e mamotomia, ambulatório de Patologia Cervical – citopatologia e colposcopia, Procedimentos de videolaparoscopia e vídeo-histeroscopia, consultas de orientação ou procedimentos de Contracepção, consultas e procedimentos em Uroginecologia, consultas e atendimentos de Psicologia, consultas em Nutrição, Exames de Ultrassonografia Ginecológica.

  • 20.000 (vinte mil) cirurgias, incluindo, mas não se limitando a: Histerectomias, Mastectomias, Curetagens, Perineoplastia, Cirurgias endoscópicas de diversos fins, Reconstrução Mamária e procedimentos cirúrgicos ginecológicos de diversos fins.

Inúmeras ações foram realizadas dentro dos quase 28 (vinte oito) anos de parceria, formalmente alguns contratos, notas fiscais, documentos contábeis e materiais administrativos ainda estão em nome do Centro de Estudos e Pesquisas 28, mas sendo paulatinamente descontinuados.

Parceria CEP28 – Enfermaria 33 (Maternidade) da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro

Em meados de 1980 iniciou-se uma parceria entre o CEP28 e o Centro de Estudos da 33ª Enfermaria, no princípio uma parceria informal para apoio na produção científica e na formação médica, permitindo aos alunos dos serviços integrar-se e cumprir escalas em ambos.

No entanto, da mesma forma que ocorreu com a Enfermaria 28, houve necessidade de realização de contrações de pessoal, aquisição de equipamentos, busca de doadores diretos para o serviço (entre empresas, farmacêuticas, laboratórios, fabricantes de equipamentos médicos e muitos doadores anônimos pessoas físicas). O CEP28 passou então a apoiar e intermediar parte dessas relações, recebendo doações a gerenciando o investimento no serviço da Enfermaria 33.

Essa gestão compartilhada ocorreu até início de 2003, quando o CEP28 passou a focar na parceria com a Enfermaria 28 e o Centro de Estudos da 33ª Enfermaria assumiu essas funções.

Neste período CEP28 auxiliou na gestão, prestou serviços, ou participou na execução dos projetos, pesquisas e atendimentos realizados pela Enfermaria 33 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, sempre sob a orientação e chefia do Prof. Dr. Jorge Fonte de Rezende, ou seus prepostos no serviço. Incluindo, mas não se atendo aos serviços de:

  • Atendimentos ambulatoriais na especialidade de obstetrícia, com ênfase em pré-natal e planejamento familiar;
  • Exames complementares, diagnósticos e procedimentos;
  • Cirurgias obstétricas.

Estrutura gerenciada, nesta gestão o CEP28 foi responsável pelo gerenciamento de:

  • 18 leitos de alojamento conjunto;
  • 15 leitos de gestantes;
  • 4 leitos de pré-parto;
  • 2 salas de parto e pós-parto;
  • 2 salas cirúrgicas;
  • 9 ambulatórios;
  • Setor de Documentação Médica;
  • Setor de ensino;
  • Setores administrativos e de apoio.

Média Anual de atendimentos:

  • Ambulatório (número de consultas):
  • Pré-natal: cerca de 5000 por ano
  • Neoplasia Trofoblástica Gestacional (NTG): cerca 250 por ano
  • Planejamento Familiar: cerca de 900 por ano
  • Internações (eventos):
  •  Média de 1500 por ano, sendo: 53% Partos vaginais (dirigidos), 1% Fórcipe, 27% cesáreas, 8% internações clínicas, 4% abortamentos e 7% NTG.
  • Partos:
  •  Média de 1250 partos anuais, sendo 63,6% Partos vaginais (dirigidos), 32,4% partos cesáreas (inclusos os NTG), 4 % outros.

Período da parceria: de 1980 a 2003, ou 23 (vinte e três) anos.

Projeto: Talentos do Brasil – Gestão de Convênio com o Ministério do Desenvolvimento Agrário –  MDA 53/2006

Saúde como bem-estar, e não ausência de doença. Equidade, determinantes sociais e programas de saúde pública, com esse tema a OMS (Organização Mundial da Saúde) renovou em 2010 o desafio lançado em setembro de 2008 pela apresentação do relatório da sua “Comissão para os Determinantes Sociais da Saúde”. Essa publicação leva esses desafios vários passos à frente, com o objetivo de traduzir o conhecimento em ações concretas e viáveis. Dois anos antes desse consenso o MDA e o CEP28 já entendiam e promoviam ações nessa direção.

O projeto Talentos do Brasil assistiu doze comunidades carentes no Brasil, com objetivo principal de desenvolver a cidadania e manter sua identidade cultural. Por meio de palestras para promoção de conceitos básicos de higiene, saúde, planejamento familiar, as mulheres das comunidades atendidas puderam melhorar a condição de vida sua e de suas famílias.

O foco principal, no entanto, era dar-lhes condição de profissionalização, ampliar ou gerar renda familiar por meio do trabalho da mulher sem impactar as funções tradicionais de matriarca.

Para atingir o objetivo foram realizadas uma série de oficinas profissionalizantes de artesanato, design, vendas e gestão da produção, permitindo, assim, a geração de renda nessas comunidades.

O projeto facilitou, ainda, a venda do material produzindo, gerando um efeito imediato de bem-estar e pleno exercício da cidadania para as participantes do projeto.

Fonte do recurso, Convênio MDA – CEP28, número 53/2006, publicação no Diário oficial da União de Nº 139, sexta-feira, 21 de julho de 2006. Recurso total de R$ 750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais), ampliados por doações e verbas do próprio CEP28, além da contrapartida prevista no Convênio. Atendimento a 12 Comunidades em todo o Brasil (BA, MG, MA, MS, RGS, PA, AM, PI, ES).

Exemplos de Comunidades atendidas:

   

Mulher Peixe – Mato Grosso do Sul

   

Tururi de Muaná – Pará

   

Pedra Primeira de Pedro Segundo – Piauí

   

Linho dos Lençóis – Maranhão

Projeto: Cegonha Carioca – Módulos Acolhimento – Contrato de Gestão SMS/RJ 006/2011

            O Programa Cegonha Carioca responde à percepção da medicina, da sociedade e dos órgãos de planejamento em saúde pública, de reduzir o risco materno, ampliar a demanda pelo pré-natal, garantir adesão aos programas de atendimento e educação de gestantes, melhorar a qualidade do atendimento no pré-parto, parto e pós-parto.

Estrutura gerenciada:

  • 7 (6 com fechamento da Maternidade Oswaldo de Nazaré) unidades de acolhimento de classificação de risco compostas de:
  • 1 enfermeiro obstetra
  • 1 enfermeiro generalista
  • 1 técnica de enfermagem
  • 2 unidades de sala de parto compostas por equipes de enfermeiro Obstetra
  • 12 Ambulâncias de resgate domiciliar e Transporte Inter hospitalar
  • Logística de produção, expedição e distribuição de cerca de 45 mil kits Cegonha Carioca anualmente.
  • Suporte e apoio em processos de melhoria da rede de atenção obstétrica, realização de eventos de Fórum de Diretores, educação continuada e outros.

Volume de atendimentos:

  • Cerca de 9300 acolhimentos por mês:
  • Cerca de 250/mês partos nas unidades gerenciadas;
  • Cerca de 1600 a 1800 transportes mensais por ambulância;
  • Gestão compartilhada de cerca de 2500 visitas Cegonha à maternidade de referência por mês,
  • Entrega de quase 4000 kits enxoval por mês;
  • Mais de 125 mil mulheres atendidas pelo programa desde o início até a presente data.

Período da gestão: de março de 2011 até março de 2016 (5 anos completos).

Hospital da Mulher Mariska Ribeiro – Contrato de Gestão 003/2012 – SMS/RJ – Bangu, Rio de Janeiro.

                O Centro de Estudos e Pesquisas 28 é o atual gestor do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, desde Março de 2012 pela data de assinatura do contrato e início de implantação, sendo a inauguração da unidade em Julho de 2012, estando a mesma totalmente operacional até a presente data.

A unidade, descrita em detalhes na proposta técnica acima, é hospital especializado em saúde da mulher com serviços de obstetrícia, neonatologia e ginecologia cirúrgica e diagnóstica, de médio porte e média complexidade e grande volume de atendimentos.

Estrutura gerenciada:

  • 9 leitos de Ginecologia Cirúrgica
  • 12 leitos de obstetrícia clínica
  • 61 leitos de alojamento Conjunto (mais isolamentos)
  • 8 leitos de Hospital dia
  • 10 salas ambulatoriais
  • 1 Serviço de Video-histeroscopia e cirurgia endoscópica
  • 2 salas de radiologia, incluindo um 1 Mamógrafo DR
  • 2 salas de ultrassonografia
  • 1 serviço de ultrassonografia e ecocardiografia neonatal
  • 1 Centro de parto Normal intra-hospitalar com:
    • 7 salas PPPs
    • 1 espaço de relaxamento
    • 4 leitos de apoio clínico
  • Centro cirúrgico com:
    • 3 salas cirúrgicas
    • 6 leitos de RPA
  • Complexo neonatal composto de:
    • 10 Leitos de UTIN
    • 11 leitos de UCINCo
    • 04 leitos de UCINCa
    • 08 leitos de neonatologia (internação prolongada por antibioticoterapia)
    • Casa da Puérpera com 6 vagas.
  • Emergência Obstétrica composta de:
    • 2 postos de acolhimento e classificação de risco
    • 2 salas de atendimento médico
    • 3 leitos de suporte
    • Área de apoio diagnóstico;
  • Serviços de apoio técnico e clínico conforme descritos nesta própria proposta.

Média mensal de atendimentos:

  • 2100 atendimentos médios de emergência Obstétrica;
  • 2400 agendas de atendimento ambulatoriais mensais, incluindo remarcações, retornos e tratamento continuado.
  • 600 internações obstétricas por mês
    • Média de 450 partos (cerca de 33% de partos cesarianas)
  • 55 Internações em complexo Neonatal (UTIN, UCINCo, UCINCa) por mês.
  • 1000 exames de Ultrassonografia (Ginecologia e Obstetrícia)
  • 500 Exames de Mamografia
    • Equipes e agendas de relaudo, mastologia e USG complementar.
  • 200 procedimentos mensais de esterilização por vídeo-histeroscopia transcervical por Essure®
  • Até 60 cirurgias ginecológicas mensais, e inúmeros procedimentos cirúrgicos ambulatoriais.

Período da gestão: de março de 2012 ao presente (4 anos e 10 meses).

Projeto: Cegonha Carioca – Módulos Acolhimento – Contrato de Gestão SMS/RJ 003/2016

            O CEP28 teve a oportunidade de se sagrar vencedor do Chamamento Público relativo ao Contrato de Gestão nº 003/2016, continuando como gestor do Programa Cegonha Carioca que, conforme explicitado anteriormente, responde à percepção da medicina, da sociedade e dos órgãos de planejamento em saúde pública, de reduzir o risco materno, ampliar a demanda pelo pré-natal, garantir adesão aos programas de atendimento e educação de gestantes, melhorar a qualidade do atendimento no pré-parto, parto e pós-parto.

Estrutura gerenciada:

  • 4 unidades de acolhimento de classificação de risco compostas de:
  • 1 enfermeiro obstetra
  • 1 enfermeiro generalista
  • 1 técnica de enfermagem
  • 2 unidades de acolhimento de classificação de risco compostas de:
  • 2 enfermeiros obstetra
  • 1 enfermeiro generalista
  • 1 técnica de enfermagem
  • 12 Ambulâncias de resgate domiciliar e Transporte Inter hospitalar
  • Logística de produção, expedição e distribuição de cerca de 42 mil kits Cegonha Carioca anualmente.
  • Suporte e apoio em processos de melhoria da rede de atenção obstétrica, realização de educação continuada e outras atividades.

Volume de atendimentos:

  • Cerca de 8800 acolhimentos por mês:
  • Cerca de 1400 transportes mensais por ambulância;
  • Gestão compartilhada de cerca de 1500 visitas Cegonha à maternidade de referência por mês,
  • Entrega de cerca de 3500 kits enxoval por mês;
  • Mais de 222 mil mulheres atendidas pelo programa desde seu início, em março de 2011, até a presente data.

1967

O Cep 28 é criado como uma Associação sem fins lucrativos pelo dr. Álvaro de Aquino Salles, chefe do serviço da enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórida e responsável pelo serviço de ginecologia do Hospital Geral da mesma instituição. Inicialmente o Centro de Estudos tinha como objetivo assegurar a publicação de trabalhos científicos oriundos de estudos e pesquisas isentas de quaisquer influências externas, alheias à excelência dos processos científicos.

1973

 

Em 1973 o professor Carlos Barbosa Montenegro, do CEP28, ganhava o prêmio “Madame Durocher” pelas pesquisas que desmentiram as alegações dos médicos brasileiros que demonizavam a Meperidina, alegando inibição da contração uterina e depressão do centro respiratório dos bebês.

De acordo com a pesquisa, que lhe rendeu o prêmio, o medicamento não inibe a contração uterina, pelo contrário, ao aliviar as dores contribui para melhorá-la e coordená-la, apresenta excelentes resultados nos momentos finais do parto sem nenhum efeito colateral importante para a mãe e a criança.

1974

 

Dr. Alkindar Soares coordena cursos de especialização em Ginecologia na Enfermaria 28.

1977

 

Realizado na enfermaria 28 pela Escola de Pós Graduação Médica Carlos Chagas e sob a coordenação do dr. Alkindar Soares.

1978

 

O encontro foi realizado em Salvador e presidido pelo dr. Alkindar Soares, com a participação do dr. Jorge Rezende.

1978

 


Em 1978 dr. Alkindar Soares já participava de pesquisas e campanhas ressaltando a importância da participação das mães na assistência aos bebês prematuros em centros de tratamento intensivo.

1980

 

Dr. Rezende – enfermaria 33

 

Em 1980 foi estabelecida a parceria entre o Centro de Estudos e Pesquisas 28 e a Enfermaria 33 da Santa Casa de Misericórdia (Maternidade), e o seu Centro de Estudos, ambos, à época, chefiados pelo Prof. Dr. Jorge Fonte de Rezende, da mesma maneira o início dessa relação foi acadêmico, com a publicação conjunta de trabalhos, estudos, utilização de infraestrutura compartilhada dos Centros de Estudos e das Enfermarias para formação médica.

1982

A partir de 1982 o professor doutor Alkindar Soares Pereira Filho assumiu a chefia do Serviço da enfermaria 28 e a Presidência do “Centro de estudos e pesquisas da 28ª enfermaria”, a partir de então coordenou toda a produção de trabalhos mantendo a notória excelência e ampliando a parceria entre o Centro de Estudos e a enfermaria.

A partir de 1982, sob a presidência no CEP28 do Prof. Dr. Alkindar a parceria com a enfermaria 33 se intensificou e passou a incluir a gestão compartilhada de serviços de saúde, em termos semelhantes ao ocorrido na enfermaria 28.

A relação óbvia de proximidade temática, saúde da mulher, beneficiou o processo de parceria e muitos dos professores, médicos, enfermeiros, estudantes e estagiários de uma enfermaria o foram da outra, embora as chefias técnicas sempre tenham sido exercidas em separado, com lisura e competência.

Através da  prestação de serviços, doações de recursos, execução de projetos específicos, cessão de pessoal qualificado e outros meios, o “Centro de Estudos e pesquisas da 28ª Enfermaria” auxiliou na gestão e participou na execução dos projetos, pesquisas e atendimentos realizados pela Enfermaria 28 da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, nas dependências do Hospital Geral, mas sob gestão independente e sempre sob a orientação e chefia do Dr. Alkindar Soares Pereira Filho, ou seus prepostos no serviço.

 

1982

Mesas de estudos realizadas através da parceria das enfermarias 33 e 28 com a Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia para debater a contracepção hormonal, coordenada pelo professor Paulo Belfort e com a participação dos médicos Alkindar Soares Filho, José Galvão Alves, Ney Mello, Regina Alvarenga e Simão Coslovsky.

1984

 

Protótipo do teste Predictor – Pesquisa do CEP28

 

Em 1984 o CEP28 foi responsável por uma pesquisa, chefiada pelo professor Alkindar Soares, que  tinha por objetivo avaliar as possibilidades da mulher utilizar e interpretar corretamente o resultado do primeiro teste de gravidez do mundo que identificava o hormônio HCG.

 

 

 

1989

 

Série de Publicações do dr. Alkindar no jornal O GLOBO

 

Diversos artigos e campanhas de esclarecimento foram publicados no caderno Família do Jornal O Globo levando esclarecimentos à população sobre métodos contraceptivos, menstruação, gravidez, menopausa, etc.

1990

 

A influência das alterações químicas do organismo no estado emocional das mulheres na fase pré-menstrual. Por dr. Alkindar Soares.

1991

                                     Climatério – Acompanhamento médico constante

O CEP28, através do dr. Alkindar Soares, participou ativamente da organização do I Congresso Brasileiro de Climatério, realizado de 12 a 15 de junho no Hotel Nacional no Rio de Janeiro, quando se discutiu a importância da medicina preventiva na assistência à mulher climatérica (na época da Menopausa). O congresso foi fruto de anos de idealização e pesquisa e nasceu da necessidade de se aglutinar profissionais de saúde física e mental em torno do tema do climatério.

1993

O Conselho Federal de Educação autoriza a instalação do curso de mestrado da Santa Casa de Misericórida do Rio de Janeiro, dirigido por Alkindar Soares e que seria o primeiro Curso de Mestrado do país a funcionar fora do ambiente acadêmico e administrativo de uma faculdade de medicina.

1995

O CEP28 realiza estudos e pesquisas relacionados com os riscos de alguns medicamentos anticoncepcionais contendo desogestrel e gestodene aumentarem as chances de uma mulher sofrer trombose.

1996

Em meados dos anos 90 o CEP28 e seus pesquisadores participavam de campanhas de esclarecimento à sociedade sobre as inúmeras alternativas concepcionais já existentes, como laqueadura de trompas, vasectomia, camisinha, pílula, DIU e diafragma. Quem deveria ser o responsável pelo planejamento familiar? Qual o anticoncepcional ideal?

1996

 

Membros do CEP28 eram consultados pelo O Globo na década de 90 para opinar sobre casos polêmicos relacionados com abortos terapêuticos e seletivos.

2008

 

Recuperação de telhado, barroteamento de piso e instalações elétricas que eliminou o estado de risco.

Nesta primeira etapa houve ainda uma pesquisa histórica para o levantamento documental, fotográfico e iconográfico, visando identificar a construção tal qual ela era no séc XIX. Assim como uma pesquisa de potencial arqueológico, visando a identificação de senzalas, engenhos, linhas de abastecimento de água etc.